quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O Último Bunga Bunga em Roma



A crise na Europa faz mais duas vítimas, com a renúncia (efetiva) do primeiro-ministro da Grécia e (anunciada) de seu homólogo da Itália. Ninguém acredita que a mudança nos governos resolverá os problemas, que são ecumênicos do ponto de vista ideológico: afetam a esquerda grega e a direita italiana. Algo semelhante ocorreu em Portugal e deve acontecer na Espanha no dia 20. Em todos esses países, a liderança política está sendo substituída por sua incapacidade de formular ou implementar soluções para a turbulência econômica. A Itália é o caso mais impressionante, porque sua descida ao abismo se dá numa situação de relativa tranquilidade financeira.

O paradoxo se explica da seguinte maneira: a Itália tem superávit primário, isto é, arrecada mais do que gasta antes de pagar os juros de sua dívida. Só que ela é imensa – maior do que a soma dos débitos da Espanha, Portugal e Irlanda. Mas como mostra o gráfico abaixo, a crise na União Européia elevou os juros no continente, ao ponto de tornar o governo italiano insolvente.



Para as autoridades regionais, Berlusconi era parte do problema e o primeiro-ministro vinha sendo submetido a cobranças humilhantes, como ter que apresentar relatórios trimestrais comprovando que vem implementando cortes de gastos públicos e restringindo benefícios sociais. Foi hostilizado nas cúpulas européias por seus colegas da Alemanha e da França. A crise econômica fez o que os escandâlos repetidos envolvendo sexo e corrupção não conseguiram: dividiram a base aliada de Berlusconi e o fizeram perder a maioria no Parlamento.

Esta é a terceira vez que Berlusconi ocupou o cargo de primeiro-ministro e ele foi o homem que por mais tempo foi chefe de governo na Itália desde a proclamação da República. Sua ascensão, em 1994, deu-se sobre os escombros de um sistema partidário desacreditado por corrupção e envolvimento com crime organizado. A morte de Berlusconi foi proclamada com alarde nas duas ocasiões anteriores em que deixou o posto, e não está claro que esta seja a última vez. As condições sociais que geraram seu fenômeno político continuam presentes. Deixa um legado de estagnação e dificuldades crônicas.

Berlusconi e Papandreou, o ex-primeiro-ministro grego, são políticos populares com ampla base de apoio. Não caíram por perder eleições, mas pelo desgaste em sua coalizão parlamentar, em função das tensões trazidas pelas pressões da União Européia por ajustes fiscais. Nos moldes do modelo proposto pelo economista Dani Rodrik (Harvard) é o “trilema” entre Estado-nacional autônomo, democracia e integração ampla à economia global. Na Reuters, Felix Salmon esboça um quadro mais matizado: a de que as contradições entre exigências internacionais e demandas sociais locais só consegue ser solucionada por líderes habilidosos e carismáticos, escassos na Europa de hoje. Salmon cita o ex-presidente Lula como modelo.

2 comentários:

Hugo Albuquerque disse...

A queda de Berlusconi foi um evento muito mais midiático do que político. A manobra que se seguiu a ela, no entanto, me parece um tanto pior - e mais relevante - do que seu governo: a negociação dos partidos parlamentares como os bancos para indicar um tecnocrata como líder temporário. Tudo isso à maneira de Napolitano, quieto e preciso. Mario Monti, nomeado senador vitalício poucos dias antes da queda de Berlusconi, será esse chefe de governo temporário e emergencial, um filo-ditador no sentido romano da palavra: de qual partido o senhor Monti vem? Nenhum. Ele foi eleito? Não, a não ser pelos bancos. Que tipo de ajustes ele vai pôr em prática? Certamente algo suficientemente doloroso para que nenhum capo partidário, à esquerda ou à direita, tenha se disposto a executar.

A União Europeia me parece aquele velho esquema neo-escravagista brasileiro: os trabalhadores recebem, mas precisam consumir dentro da fazenda e não apenas gastam tudo como ainda se endividam perpetuamente. Gregos, portugueses e espanhóis são vítimas de uma dívida cuja responsabilidade é, na verdade, da dinâmica de funcionamento da União Europeia, sobretudo no que toca à união monetária. Cedo ou tarde, eles seria deixados para morrer, com suas dívidas imensas, mas a crise financeira precipitou o processo. E os alemães, os grandes vencedores do jogo, depois de ficarem com o bônus, se desvencilharam do ônus - econômico, mas o bumerangue social e político me parece inevitável. A Itália, intermediária no processo, acabou por ser prejudicada pela implosão das condições gerais de crédito no velho mundo. Ela não tem mais como pagar ao dono da fazenda, só lhe resta apertar o cinto. É aterrador.

Mauricio Santoro disse...

Caro Hugo,

Exato, é como na Grécia. Um tecnocrata com experiência nas instituições internacionais e a confiança do mercado financeiro para executar o que os políticos não podem ou não querem fazer. Isso é ruim para a democracia, e perigoso também.

abraços