quinta-feira, 29 de julho de 2010

A Lei do Arizona



Nesta quinta entrou em vigor nos EUA a nova e controversa lei de imigração do estado do Arizona. Contudo, ontem um tribunal federal determinou que ela será aplicada sem seus artigos mais polêmicos, em especial aqueles relacionados à repressão policial. A batalha judicial promete ser longa, amarga, arrastar-se até a Suprema Corte e galvanizar a oposição dos conservadores ao presidente Barack Obama nas eleições legislativas de novembro.

O objetivo da lei de imigração do Arizona é criar mecanismos mais eficazes para identificar e deportar imigrantes ilegais, que passam a ser considerados como criminosos. O ponto mais explosivo é a autorização da polícia para exigir documentos migratórios, algo que os estrangeiros que vivem no estado acreditam que irá levar a um surto de xenofobia e racismo oficial. A Igreja Católica a chamou de “nazista”.

O Arizona faz fronteira com o México e os latino-americanos são os principais grupos de estrangeiros no estado. O medo da lei tem levado a problemas econômicos consideráveis, inclusive migrações internas, com alguns imigrantes trocando o Arizona por outros estados, e negócios que dependem dos latino-americanos perdendo clientes. As relações com o México também se deterioraram, em especial porque a crise da segurança pública naquele país impactou negativamente no Arizona.

Obama criticou a lei desde o início, afirmando que ela contraria os valores dos Estados Unidos. Mas para enfrentar o furor anti-imigração, respondeu aumentando o número de deportações, que alcançou espantosos 400 mil por ano - mais do que George W. Bush. O Partido Republicano apoiou fortemente a lei e a pressão levou até moderados como John McCain a mudar de posição e passar a defendê-la. A ministra da Segurança Interna de Obama havia sido governadora do Arizona e vetado legislação semelhante, de modo que a nova lei mostra a direção para a qual os ventos sopram.

5 comentários:

Mário Machado disse...

E por aqui no meu país eu não canso de ser parado e revistado pelo polícia.

Mário Machado disse...

E por aqui no meu país eu não canso de ser parado e revistado pelo polícia.

dra disse...

xenofobismos estão em alta nesse começo de século XXI... e o futuro parece cada vez mais sombrio.
aqui no Brasil, tem o tal *Manifesto São Paulo para os Paulistas*, q anda angariando simpatizantes na internet.

http://www.petitiononline.com/estadosp/petition.html

a coisa anda feia, meu caro Santoro, e creio q só tende a piorar...

abs!

Mauricio Santoro disse...

Salve, Mário.

Pois é, eu estava tentando explicar para meus alunos que nos Estados Unidos a cultura política é muito diferente e as pessoas não aceitam certas intervenções do Estado. Outros hábitos.

Cara Dra,

Por coincidência, vou dar uma palestra sobre o tema em São Paulo, no próximo mês. Escreverei mais sobre isso.

abraços

Mário Machado disse...

Dr,

A intromissão aqui é tão grande que para muitos parece "frescura" lutar para manter liberdade civis como não ser assediado pela Polícia (ok, admito que aqui os niveis de violência justificam de algum modo a severidade das medidas de prevenção).

É perigoso os caminhos que por lá surgem. Mas, a comparação com o Brasil não deixa de mostrar o que muitos chamam de mazelas do subdesenvolvimento.