sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Fora da Lei



O cineasta Rachid Bouchareb já havia nos brindado com "Dias de Glória" (Indigènes) um ótimo filme sobre os laços dolorosos e contraditórios entre Argélia e França a partir da experiência dos soldados argelinos que ajudaram a libertar os franceses do jugo nazista na Segunda Guerra Mundial. "Fora da Lei" é um novo épico, igualmente poderoso, que conta a história de uma família devastada pelas lutas de independência da Argélia.

O filme cobre o período de 1925 a 1962 e é centrado na saga de três irmãos que crescem na pobreza quando seus pais perdem as terras durante o corrupto regime colonial. Adbelkader é um intelectual preoce que se junta aos militantes pró-independência e participa dos protestos de Sétif, quando o Exército francês matou diversos ativistas nacionalistas no mesmo dia em que acabou a Segunda Guerra Mundial. Preso, Abdelkader vai cumprir a pena na França. Messaoud alista-se nos páraquedistas e luta na Indochina, onde testemunha a derrota do império francês para os vietnamitas. Said quer ficar fora da política, e temeroso da guerra, leva a mãe para morar numa favela nos arredores de Paris, onde acaba por se tornar um pequeno gangster, explorando prostituição e cabarés.

Na prisão, Abdelkader torna-se um aguerrido militante da Frente de Libertação Nacional, e uma vez solto reune-se aos irmãos e começa a organizar os argelinos na França para apoiar a guerra de independência. Messaoud, transformado pelo que viu na Indochina, alia-se a ele. A causa da FLN pode ser nobre, mas seus métodos são questionáveis e envolvem assassinato de rivais e dissidentes e a estratégia de provocar o Estado francês, esperando ganhar adeptos com a radicalização.

A maior parte do filme é centrada nesse esforço de organização política - uma espécie de "A Batalha de Argel" centrado no front francês e com algumas passagens na Alemanha e na Suíça, países em que a FLN montou bases importantes. O foco do cineasta é nas relações de família e nos ciclos de amizade, afastamento e lealdade entre os três irmãos. Há poucos personagens franceses de destaque, como um coronel do serviço secreto que persegue Abdelkader e uma simpatizante do FLN que se sente atraída por ele.

"Fora da Lei" é um épico com heróis falhos e cheios de defeitos e possivelmente sua visão sombria da história não agradará nem a franceses nem a argelinos. Que bom. O mundo tem nacionalismo extremista em excesso, um pouco de senso crítico diante da tragédia da política não fará mal a nenhum espectador.

2 comentários:

Thiago Quintella de Mattos disse...

Excelente nome para o Blog. Viva Cortázar! Li a resenha meio de viés com receio de encontrar uma "dica a mais" do filme. Que nada, perfeita. Gosto muito da história e da resistência da Argélia, assim como a de todo o Magreb. O Cinema então, Marc Ferro faz uma brilhante associação da sétima arte com as colonizações, e muitos de seus artigos falam do cinema do Magreb. E o seu artigo aqui tb Maurício, me impulsionou a assistir o filme. Muito obrigado!
PS; Coincidentemente acabo de fazer uma espécie de resenha em meu blog, sobre o filme Polícia, Adjetivo. Já viu?

Mauricio Santoro disse...

Salve, Thiago.

Obrigado pelos comentários tão simpáticos. Falarei mais sobre o Magreb na próxima semana, por conta dos recentes acontecimentos na Tunísia. Ainda não vi o filme que você mencionou, vou checar sua resenha. Abraços!