quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A Guerra do Google



A América Central já deu ao mundo a "Guerra do Futebol" entre Honduras e El Salvador, agora corre o risco de presentear a crônica bélica com a primeira "Guerra do Google", entre Nicarágua e Costa Rica, com o inusitado extra de que este país não possui Forças Armadas. O incidente faz parte de um contexto mais amplo: a eclosão de diversas disputas territoriais na América Latina e uma sucessão de crises na América Central e Caribe (Cuba, Haiti, Jamaica, Honduras, Guiana).

Nicarágua e Costa Rica têm um velho contencioso de fronteiras com relação ao rio San Juan, que separa os dois países, e de uma ilha nesse curso fluvial. No início de novembro, o governo da Nicarágua começou a dragar o rio, ocupando um território que segundo o Google Maps, fazia parte do país. As autoridades da Costa Rica protestaram e a empresa mudou a representação da fronteira, mas soldados armados das duas nações se dirigiram para a região em disputa - no caso costarriqueno, são apenas policiais, pois seu Exército foi abolido na década de 1940.

O rio San Juan não é exatamente o jardim do Éden, mas a polarização do conflito interessa aos dois presidentes envolvidos, que podem usar a onda nacionalista para lidar com problemas de popularidade. O nicaraguense, Daniel Ortega, mobilizou seus parceiros da ALBA e conseguiu uma fonte importante de apoio na Organização dos Estados Americanos (OEA). A costarriquenha, Laura Chinchilla, está no cargo há apenas 6 meses e tenta afirmar sua liderança conservadora diante do peso do antecessor progressista, Oscar Arias, que governou o país várias vezes e ganhou o Nobel da Paz por sua mediação das guerras civis da América Central, na década de 1980.

A Costa Rica recorreu à OEA que iniciou os procedimentos de praxe nesse tipo de conflito: reuniões extraordinárias, missões de bons ofícios do secretário-geral (o hábil político chileno José Miguel Insulza) e o esforço para acalmar a situação. No entanto, há dois fatores que podem agravar a disputa.

O primeiro é a atuação instransigente do bloco da ALBA, votando contra ou se abstendo na votação da OEA que recomendou a retirada das tropas dos dois países da zona em disputa. É a primeira vez em décadas que a organização passa por uma divisão desse tipo, se não me falha a memória, a última havia sido a suspensão de Cuba, nos anos 60.

O segundo é a presença de 300 mil imigrantes da Nicarágua na Costa Rica. Muitos fugiram para o país vizinho durante a Revolução Sandinista e a guerra civil, outros migraram em busca de trabalho e melhores condições de vida. O risco de xenofobia e violência contra esse grupo é grande, e aqueles que conhecem a história da "Guerra do Futebol" devem estar lembrados de que a causa do conflito foi a presença de muitos camponeses salvadorenhos em Honduras, em busca de terra, e as tensões sociais e econômicas que resultaram disso.

7 comentários:

marcelo l disse...

Prezado Mauricio

Acredito que o google vai trazer problemas até para nós, a antiga disputa por Livramento parece com o Uruguai está em área de litígio.

É um caso curioso a se seguir, mas eu tinha ficado com a impressão que a Costa Rica foi mais histriônica, com reclamações até de não ter exército, achei até que o incidente foi usado para isso pelo presidente por que ele queria ter um...

Abs

Mário Machado disse...

Dr,

É por essas e outras que não acho que Garcia Marquez seja realista fantástico em se tratando de América Latina a realidade é muito mais fantástica. Bom, pelo menos na arte da desculpa esfarrapada.

Mauricio Santoro disse...

Salve, Marcelo.

A Costa Rica tomou a iniciativa de levar o caso à OEA, em função da Nicarágua ter começado a dragagem do rio.

Não me consta que haja um debate por recriar o Exército costarriquenho, o caráter pacífico do país é muito forte, orgulho nacional.

Caro Mário,

Nesta América, a ficção sempre fica aquém da realidade.

Abraços

brunomlopes disse...

A Costa Rica é a mais sólida democracia da América Central, e deveria ser olhada com mais atenção por todos nós. Andando pelo país de carro, a cada ´pueblo´ eu via uma escola, e é difícil ver casebres e a miséria rural que se encontra no Brasil.
Mas eles também têm lá sua culpa no cartório nas relações com a Nicarágua. O norte da Costa Rica foi usado como base para os ´contras´ da Nicarágua, naquela famosa história do escândalo Irã-Contras do coronel americano Oliver Nort. Uma onda na região, que ficou famosa com o filme Endless Summer 2, foi ironicamente apelidada de "Ollie´s Point" - imagino que tenha sido descoberta por algum americano durante um desembarque de armas. E é impressionante como essas implicâncias regionais podem demorar a curar.

Mauricio Santoro disse...

Salve, Bruno.

A história da onda é sensacional, se você não se importa, vou roubá-la de você e usá-la em aula - claro que, lhe dando o crédito!

Abraços

brunomlopes disse...

Então mencione também o disco "Surf Nicaragua", disco lançado no final da década de 80 por uma banda de heavy metal. É uma música contrária à intervenção americana na Nicaragua, do ponto de vista de um soldado americano, e que tem um verso que diz "se você tivesse trazido uma prancha, ao menos podia estar surfando na Nicarágua".
Ainda bem que os tempos são outros, porque a Nicarágua é hoje um dos melhores destinos para o turismo de surf.

Mauricio Santoro disse...

Anotado!:=)