quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Cinema e Direitos Humanos na América do Sul


Começou ontem a II Mostra sobre Cinema e Direitos Humanos na América do Sul. Nem soube da primeira, mas esta ficou muito interessante. O cineasta gaúcho Giba Assis Brasil, curador do evento, selecionou cerca de 40 filmes que tratam do tema, e relacionou cada um com os artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa seu sexagésimo aniversário em 2008.

Os filmes vêm de diversos países sul-americanos e foram lançados entre 2004 e 2008. São uma amostra do excelente momento vivido pelo cinema do nosso continente, em particular nos documentários, e ilustram como a sétima arte regional está muito atenta para os temas sociais. Aliás, não só aqui. A Human Rights Watch organiza até um Festival Internacional de Cinema sobre o assunto.

Como era de se esperar, boa parte da produção lida com os traumas das ditaduras militares recentes, às vezes fazendo a ponte com as mazelas contemporâneas, como a violência urbana. A questão da discriminação racial também está presente em vários filmes, tanto no aspecto dos negros quanto no dos índios. Há também a agenda sócio-econômica, configurando panorama bastante completo. A maioria das pessoas só associa direitos humano ao combate ao abuso de poder por parte do Estado, mas essa é uma dimensão reduzida dos tratados internacionais sobre o tema.

Por coincidência, no sábado lecionei na pós-graduação sobre cultura e relações internacionais. Não é a parte do programa sob minha responsabilidade, mas assumi a tarefa por razões de doença de um colega. Expus aos alunos três maneiras de pensar o ponto: 1) Cultura como extensão do poder/influência do Estado (soft power); 2) Cultura como comércio exterior, com os impactos nas negociações internacionais; 3) A dimensão artística e humanista que leva ao questionamento das ações dos governos.

A turma da Candido Mendes é excelente e o debate foi muito rico, com várias discussões sobre os conceitos, críticas às políticas brasileiras da área e muitas citações a filmes e livros clássicos. É um privilégio ser pago para coordenar esse tipo de coisa!

Esta mostra é uma iniciativa da Secretaria Especial de Direitos Humanos, vinculada à Presidência da República. Com alguma freqüência trabalho com o pessoal de lá, é gente muito boa, entusiasmada com o tema, e que muitas vezes enfrenta a falta de recursos e até a má vontade dos colegas de governo. A mostra prossegue até o dia 16 de dezembro em oito cidades (Rio, São Paulo, Porto Alegre, Recife, Brasília, Belém, Belo Horizonte e Fortaleza). No Rio ela está no Museu de Arte Moderna. Pena, porque o local não é muito acessível para quem não tem carro, em especial à noite, e um evento tão importante deveria estar mais próximo da população, sobretudo dos estudantes.

4 comentários:

SAM disse...

Caro colega bloguer,

O dia 10 de Dezembro é o Dia Internacional dedicado ao tema dos Direitos Humanos.

Depois de uma pequena procura no google, encontrei o seu blog e gostaria de lhe convidar a ser uma parte central desse empreendimento, para que todos possamos deixar a nossa marca nesse dia e, juntos, demonstrar a todos que somos Um mundo, Uma vida.

Acredito que cada um de nós, seres humanos conscientes, teremos as nossas preocupações, mais ou menos específicas, e, por isso mesmo, deveremos tentar, juntos, deixar uma marca.

Por isso, convido-lhe a ir a www.fenixadeternum.blogspot.com e ver como poderá participar dessa rede cujo que se mantém por uma única causa: a causa do Género Humano, a causa dos Direitos Humanos.

Obrigado,
Sam

Mauricio Santoro disse...

Caro Sam,

ótima iniciativa, conte comigo.

Abraços

carla soares disse...

o link para " II Mostra sobre Cinema e Direitos Humanos na América do Sul."
Não está funcionando...vou ver se acho pelo google.
Abraço!

Mauricio Santoro disse...

Carla,

Obrigado pelo aviso, já consertei o link.

Abraços