quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A Sapatada



Atire a primeira pedra quem não gostaria de repetir o gesto do jornalista iraquiano Muntazer al-Zaidi e jogar um sapato no presidente Bush.

Infelizmente o governo do Iraque libertado não tem muita simpatia por protestos heterodoxos e o repórter está preso, pode pegar 15 anos de cadeia e, segundo as denúncias, foi espancado pelos guardas e está com alguns ossos quebrados.

Nestes tempos de You Tube, o uso criativo das novas tecnologias de informação faz com que críticas inusitadas e bem-humoradas circulem rapidamente. O Sergio Leo fez um apanhado hilariante dos vídeos que parodiam a sapatada iraquiana. Meu favorito é o do Matrix.

Menção honrosa também para as análises pseudo-culturalistas que falam da suposta especificidade árabe, em que é ofensa mostrar a sola do sapato para alguém. Ora, meus queridos, em qualquer país jogar uma bota no seu interlocutor é sinal de que ele fez algo muito ruim para você – como invadir sua nação e matar dezenas de milhares de inocentes, por exemplo.

Sapatos à parte, a agressão a Bush serve como ilustração de uma tendência de diversos estudos sobre o panorama da segurança internacional: os problemas para os Estados Unidos não vem de rivais ricos, mas do países em desenvolvimento. Nações empobrecidas e devastadas pela guerra, que são um ninho de marimbondos para extremismo político, terrorismo, disseminação de epidemias etc. Como tais estudos são preparados por técnicos do hemisfério norte, há sempre a preocupação com a migração, sobre o que aconteceria se essas pessoas resolverem fugir para os EUA e a Europa. O problema de um é a solução do outro.

O link acima vai para o blog de Duncan Green, um dirigente da ONG britância Oxfam, instituição que publica algumas das melhores pesquisas e reflexões que conheço sobre temas como comércio internacional, agricultura familiar e meio ambiente. Green chama a atenção para como muitos dos debates políticos travados nas organizações multilaterais ainda são marcados por perspectivas estreitas em termos de classe social, gênero, etnia.

O mundo precisa de horizontes mais amplos. Ou vão faltar sapatos.

Pós-Escrito: Patricio dá a dica de um site onde o visitante desfrutar de um jogo cujo objetivo é acertar um sapato em Bush. Boa prática!

5 comentários:

Rodrigo disse...

*atira pedra*

IcaroReverso disse...

Sapateado. Rende um musical, que seja um musical americano, rs.

Mauricio Santoro disse...

Os jornais em espanhol já estão falando no Zapatazo contra Bush. Acho que a coisa pegou. O tal jornalista iraquiano é um gênio do marketing politico, ainda que talvez vire seu mártir...

abraços

Patricio Iglesias disse...

Caro Maurício:
Também há um jogo onde você pode tirar sapatos no Bush: http://www.kroma.no/2008/bushgame/
Saludos!

Patricio Iglesias

Mauricio Santoro disse...

Ha ha ha ha! Ótimo :-)

Vou lá treinar um pouco!

Abraços