quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Kissinger e o Brasil



Meses atrás Henry Kissinger passou por experiência rara: a de não ser a pessoa mais inteligente na sala. Isso aconteceu quando foi entrevistado por meu amigo Matias Spektor, para a pesquisa que resultou em seu excelente livro “Kissinger e o Brasil”, que acaba de chegar às livrarias.

Kissinger foi o principal formulado diplomático dos governos de Richard Nixon e Gerald Ford (1969-1977). Suas realizações foram notáveis: encerrou a guerra do Vietnã, reaproximou os EUA da China, estabeleceu relações cordiais (“détente”) com a URSS e mediou os conflitos no Oriente Médio. Em geral se dedica pouco espaço à sua agenda para a América Latina e o próprio Kissinger estimula essa visão com declarações de que nada de importante vem do sul.

Matias mostra que não bem é assim, com base em entrevistas e pesquisa documental nos Estados Unidos e no Brasil. Washington propôs o estabelecimento de uma “relação especial” com a ditadura militar brasileira, que “recebeu a proposta de Kissinger com hesitação, mas aceitou entrar no jogo”. Embora o projeto não se concretizasse, esse fim não estava pré-determinado. Matias questiona a interpretação tradicional de que os governos Médici e Geisel buscaram maior autonomia diante dos EUA. O que parece ter acontecido de fato é uma relação mais ambígua, marcada por um lado pela “desconfiança e falta de entusiasmo para agir em conjunto com os Estados Unidos, e por outro, o anseio de reconhecimento americano como um ´país em ascensão´.” Sentimentos contraditórios que, a meu ver, até hoje permeiam as relações entre os dois países.

O principal interlocutor de Kissinger no governo militar foi o chanceler Antônio Azeredo da Silveira, o arquiteto da política externa do “pragmatismo ecumênico e responsável” de Geisel. Polêmico, genial e genioso, autoritário, vaidoso, Silveira marcou época e defendia seus gestos ousados argumentando que “o papel de uma chancelaria é pôr o país à frente de seu tempo”. Isso significava reconhecer regimes marxistas na África, reestabelecer relações com a China, assinar um ambicioso acordo nuclear com a Alemanha, lidar com a oposição da Argentina à construção de Itaipu e fortalecer os laços com potências européias e o Japão, no esforço para obter o reconhecimento do projeto de “Brasil potência”.

Há pontos comuns entre Kissinger e Silveira – ambos vinham de famílias que haviam tido prestígio, mas decaído, e ascenderam a partir de um certo status de outsider. Desconfiavam de suas respectivas burocracias e procuraram centralizar o poder em si mesmos e num seleto grupo de assessores: “Silveira repetia com ironia que se Kissinger pudesse, ensinaria o povo americano a ´escovar os dentes´. Mas ele não era muito diferente em relação ao povo brasileiro.”



Brasil e Estados Unidos cooperavam no combate à esquerda na América Latina, o que à época de Médici significava intervenções no Chile, Bolívia e Uruguai. Quando o presidente visitou os Estados Unidos, Nixon o saudou com a famosa frase de que para onde for o Brasil, iria a América Latina. A declaração provocou enormes polêmicas na região, que tendia a ver Brasília como “testa-de-ferro” ou “sub-imperialista” de Washington: “Anos mais tarde, Kissinger brincaria dizendo que ele nunca vira os países do hemisfério tão unidos – contra a aproximação entre Brasil e Estados Unidos”

Com Geisel, a situação na região se tornou um tanto mais estável, e curiosamente a ditadura militar brasileira aconselhou os americanos a serem mais moderados em suas relações com Angola e Portugal, onde o Brasil apoiava regimes marxistas e socialistas. Os EUA seguiram por um caminho intransigente do qual se arrependeram depois, mas Matias destaca o quando a decisão brasileira para reconhecer o domínio do MPLA em Luanda foi tomada sem as informações adequadas. Por exemplo, o governo americano não avisou Geisel da ida de milhares de tropas cubanas para Angola, o que colocou a ditadura brasileira numa posição constrangedora, e que serviu de munição para a tentativa de golpe da linha dura, como as diatribes do general Sylvio Frota.

A tentativa de aproximar os dois países acabou naufragando nas ambigüidades da relação, em pontos controversos como direitos humanos e energia nuclear e no declínio brasileiro após a segunda crise do petróleo. Matias mostra que os dissabores entre Washington e Brasília tiveram conseqüências inesperadas, como a busca pela aproximação com a Argentina, justamente porque os diplomatas perceberam o quanto as fissuras entre os dois países eram exploradas pelos Estados Unidos.



Um dos momentos mais curiosos do livro é a intervenção de Kissinger para levar Pelé aos Estados Unidos. Fã de futebol, ele superou os receios do Departamento de Estado, que acreditava que a ida do craque geraria uma onda de anti-americanismo no Brasil! Kissinger foi além e disse que o estilo futebolístico de um país diz muito sobre sua política externa. O jeito brasileiro de praticar o esporte é marcado pela capacidade de surpreender o adversário e “por isso, um dia desses vamos acordar e descobrir que o Brasil virou uma grande potência”.

O pior é que acho que ele tem razão.

5 comentários:

Patricio Iglesias disse...

Meu caro:
"Kissinger foi além e disse que o estilo futebolístico de um país diz muito sobre sua política externa".
É verdade. Qué é pior? Nossa diplomacia ou a Selección do Diego? Ha, ha, ha!
Saludos!

Mauricio Santoro disse...

Caro,

Acho que não irei responder, para não provocar uma crise em um país irmão :-)

Mas para uma interpretação política de Maradona, segue o texto abaixo:

http://blog.estadao.com.br/blog/arielpalacios?title=maradona_e_o_fracasso_que_produz_dinheir&more=1&c=1&tb=1&pb=1

Abraços

Helvécio Jr. disse...

não é a toa que dois amigos meus certa vez escreveram um artigo sobre "futebol e política externa".

Pelé, que como disse Romário, "calado é um poeta" segue sendo o Rei do Futebol. Acho que depois de tanto tempo até os argentinos já sabem disso...

Mauricio Santoro disse...

Uma vez que dificilmente o João Daniel encontrará tempo para voltar a ser meu parceiro no crime de escrever artigos, meus esforços atuais são para fazer o Matias preparar um texto sobre Kissinger e o futebol.

Abraços

Helvécio Jr. disse...

hehe...João Daniel está mais para Eike Batista do que para colunista.