sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Diplomacia Midiática e Vaias no Pan


Ontem foi o lançamento de "Política Externa na Era da Informação", do meu amigo fraterno Leonardo Valente. O livro é a dissertação de mestrado do Leo, na qual ele analisa o papel dos meios de comunicação na política internacional, tema importantíssimo e pouco estudado. O trabalho do Leo já virou uma referência importante – foi muito citado por um diplomata argentino que acabou de escrever um livro sobre o assunto. De fato, meu amigo tem condições privilegiadas para a análise, pois é repórter da editoria internacional do Globo e um jornalista tarimbado que já esteve até clandestino em Cuba, cobrindo as repercussões da doença de Fidel.

Pouco após a defesa de sua dissertação, escrevemos um artigo em que aplicamos suas idéias à experiência que tive trabalhando na Venezuela, no Fórum Social Mundial de 2006. O resultado foi "A Diplomacia Midiática de Hugo Chávez". Desde então, sempre conversamos sobre os momentos em que a imprensa exerce um papel nas questões internacionais. Um deles foi durante os Jogos Pan-Americanos. Esse foi um tema que apareceu com força no papo do coquetel do lançamento.

Conversando com alunos comuns – o Leo também leciona na pós-graduação da Universidade Candido Mendes – comentei o impacto que as vaias no Pan tiveram para as ambições brasileiras de sediar as Olimpíadas e a Copa do Mundo. A imprensa estrangeira retratou de maneira muito negativa o comportamento da torcida, que vaiou atletas de várias nacionalidades. Um amigo que trabalhou na segurança dos jogos me disse que as agressões que mais o chocaram ocorreram durante os Jogos dos Para-atletas: “O sujeito que está ali já é um vencedor, ele superou grandes limitações físicas. É uma covardia agredi-lo.”

O Leo me chamou a atenção para a rapidez com que a imprensa estrangeira cobriu as vaias brasileiras e como elas foram apresentadas à opinião pública internacional como um exemplo da incapacidade do país em sediar grandes eventos esportivos mundiais. Claro que esse é o tipo de posição que as nações que rivalizam com o Brasil querem ver difundidas. O argumento do Leo, central em seu livro, é que o uso da imprensa é um instrumento fundamental na política externa contemporânea e que o Estado brasileiro não tem conseguido lidar bem com isso. Outros países estão mais atentos. Como dizia Madeleine Albright, “A CNN é o novo membro permanente do Conselho de Segurança”.

Meu amigo que trabalhou no Pan expressou uma opinião semelhante, dizendo que era preciso educar o público dos jogos para a importância de um comportamento adequado, para o que estava em questão com relação aos interesses da política externa do país. Mas ambos lembramos que isso não foi necessário em 1950. Naquela célebre Copa, o Uruguai venceu o Brasil em pleno Maracanã e os jogadores uruguaios foram unânimes em elogiar a gentileza e educação da torcida brasileira, que os cumprimentou pela vitória que é a maior tragédia do futebol nacional.

O que mudou no Brasil? “É a geração Rede Globo”, palpitou meu amigo. Mas o fato é que essa violência (mesmo que limitada ao aspecto verbal) associada ao esporte também cresceu em outras regiões, como na Europa e na Argentina. Os hooligans e as barra bravas se sentiriam em casa em meio à grosseria brasileira no Pan.

Para quem se interessa pelo tema da diplomacia midiática e das relações entre esporte e política, recomendo outros dois excelentes livros. Não por acaso, também escritos por jornalistas espertos: “Genocídio – a retória americana em questão”, de Samanta Power (vai muito além do título e inclui uma ótima discussão sobre imprensa e conflitos internacionais) e “Como o Futebol Explica o Mundo”, de Franklin Foer.

4 comentários:

Marcus disse...

Não sabia que tinha havido vaias também no Para-Pan. Que vergonha.

Mauricio Santoro disse...

Pois é, foi o que meu amigo que trabalhou nos Jogos me contou. Também não tinha visto nada a respeito na imprensa (embora não tenha acompanhado a cobertura com atenção).

O que diabos aconteceu neste país para que a gente agrida até deficientes físicos?

Rodrigo Cerqueira disse...

Maurício,

minha tese sobre esse comportamento é a de que o brasileiro não tem o gosto pelo esporte, mas sim a atração pelo ídolo. Assim, éramos a pátria do tênis na época do Guga, a pátria do automobilismo na época do Senna, a pátria do boxe nos anos de Jofre ou Popó. Com a queda desses ídolos, o esporte em questão voltou para o seu gueto. Então, em geral, brasileiro torcem para um ídolo e não têm o hábito de admirar a competição pela superação do atleta, pela beleza do jogo, enfim, por razões que movem platéias mundo afora.

Ao lado disso, acrescentamos o fato de a cultura do futebol ser muito forte entre nós. Esse sim, o único esporte que o brasileiro é capaz de assistir sem estar torcendo por ninguém. O torcedor de futebol nas últimas décadas desenvolveu o hábito de agredir o adversário, de menosprezar, de vaiar, ofender e tentar humilhar o outro. Rivalidades mesquinhas que se alimentam da violência das torcidas organizadas e que a imprensa esportiva fomenta (não a violência, talvez, mas a rivalidade) porque ela vende jornal.

Agora, usar isso contra uma candidatura do Rio é prato cheio para as concorrentes da cidade. O que fazer? Bom, me parece que a solução é educar o público e a melhor forma de alcançar isso é trazer mais competições internacionais para cá, em esportes outros que não o futebol.

Só para encerrar, lamento não poder ter ido ao lançamento do livro do Léo, mas estou combinando com ele fazer um lançamento do livro aqui no Espírito Santo, quem sabe durante o Nações desse ano. Para mim, que também milito na área da imprensa e política externa, ter amigos assim com quem dialogar é sempre muito prazeroso.

Grande abraço.

Mauricio Santoro disse...

Grande Rodrigo,

a sua observação é muito interessante, eu não havia pensado na questão por essa perspectiva. Será que o público do Pan é o mesmo que assiste a outras competições esportivas, ou são pessoas que em geral não têm esse hábito?

A pergunta é boa e vale um bom debate. Quem sabe vocês possam fazê-lo aí na UVV. O lançamento aqui no Rio foi ótimo, juntou o pessoal da universidade com o povo do jornal, aposto que vocês também vão se divertir aí em Vila Velha.

Abraços