quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Uma Nova Geração Política: a juventude dos EUA e Obama


Reproduzo meu artigo publicado nesta quinta no site “Juventudes Sul-Americanas”:

***

Uma das características que mais chamaram a atenção na campanha presidencial dos Estados Unidos foi o apoio da juventude a Barack Obama. As pesquisas indicam 60% do voto juvenil (18-29 anos) para o candidato, contra 30% para seu rival John McCain. O eleitorado jovem é formado por 44 milhões de pessoas, cerca de 25% do total.

Nas eleições de 2000, o Partido Democrata teve 2% a mais dos votos dessa faixa etária do que o Republicano. Em 2004, 9%. Contudo, a preferência da juventude por Obama não significa a adesão juvenil a uma doutrina partidária ou a um líder. É antes o reflexo da nova geração cidadã, que se tornou ativa politicamente em meio às tragédias dos atentados de 11 de setembro de 2001, das guerras no Iraque e no Afeganistão, da crise econômica e de uma série de escândalos envolvendo o governo Bush.

Ceticismo diante da tradição

A geração atual tem sido chamada de “Milênio”, “Y” ou “Pós-Tudo”, e seria marcada pelo ceticismo diante da liderança política tradicional. Nas sondagens de opinião, quase 80% da juventude dos Estados Unidos afirma que não apóia nenhum dos dois principais partidos ou que gostaria de ver alternativas. Desde sua campanha para o Senado, em 2004, Obama tem demonstrado cuidado em evitar a polarização, defendendo a construção de novos consensos, que ultrapassem a divisão partidária, e pregando a negociação entre grupos adversários, tanto nos Estados Unidos quanto entre o país e nações estrangeiras hostis.

O candidato também conquistou apoio juvenil por sua ênfase em temas ligados à qualidade de vida, em particular a agenda de meio ambiente, mudança do clima e energias alternativas ao petróleo. A juventude tem manifestado muito mais interesse por esses assuntos do que as pessoas mais velhas, que se mostram cautelosas em abandonar os modelos tradicionais.



O apelo à “mudança” - principal lema da campanha de Obama - não deve ser subestimado. Nos últimos 20 anos, a Casa Branca foi ocupada por presidentes que pertenciam às famílias Bush ou Clinton. A maior parte do eleitorado jovem viveu apenas esse período e a vontade de renovação foi um dos fatores que explicou a derrota de Hilary Clinton nas primárias democratas. Ela teve apenas 30% dos votos juvenis, pois, em grande medida, as pessoas nessa faixa etária a identificaram com o status quo conservador, e buscaram algo novo e diferente.


Comparecimento crescente, mas ainda baixo


Obama foi bem-sucedido não só em conquistar o apoio do eleitorado jovem, mas também em fazer com que rapazes e moças fossem às urnas. Nos Estados Unidos o voto é facultativo, e só é permitido para maiores de 18 anos. Desde a década de 1970, a taxa de comparecimento eleitoral juvenil é quase sempre menor que 50%, enquanto a adulta fica acima de 65%.

Os índices começaram a subir – para todas as faixas etárias – a partir de meados desta década. Nas primárias de 2008, houve o dobro de participação juvenil do que em 2000. Para além do entusiasmo com Obama, o aumento decorre também da ênfase que as campanhas de todos os partidos têm dado às novas tecnologias de informação, usando amplamente instrumentos como YouTube, sites de relacionamento como Facebook e MySpace, e mensagens enviadas por celulares. Há diversas organizações não-governamentais e movimentos sociais dedicados a estimular o eleitorado jovem.

Ainda assim, as pesquisas apontam que pouco mais da metade da juventude irá às urnas em 4 de novembro, o que mostra grande nível de apatia e desinteresse com a política partidária, mesmo diante de uma disputa tão acirrada e com questões tão importantes em jogo. No atual ritmo de crescimento populacional dos Estados Unidos, em 2015, um terço de todos os votos será de pessoas com menos de 30 anos. Como esses rapazes e moças se comportarão com relação aos principais temas da agenda pública?

Uma nova agenda política


O legado com os quais a juventude dos Estados Unidos precisa se defrontar é difícil. Nos últimos trinta anos, as desigualdades sociais aumentaram muito, colocando o país com o pior índice nessa área entre as nações desenvolvidas. A qualidade e disponibilidade de diversos serviços públicos, como educação e saúde, diminuiu.

A nova geração é mais diversa do ponto de vista étnico. Cerca de 1/3 é de ascendência africana, latino-americana ou asiática. Sua visão política é mais favorável às políticas de ação afirmativa e ao auxílio à imigração. Também tem posições mais tolerantes com relação ao homossexualismo, inclusive ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. De modo geral, favorecem maior participação do Estado na vida cotidiana.

Os problemas que os preocupam são familiares aos da juventude sul-americana: trabalho e educação dominam os receios quanto ao futuro. No primeiro aspecto, destacam-se os temores com relação ao alto índice de desemprego juvenil e à renda decrescente para vários segmentos populacionais, sobretudo pessoas com pouca qualificação profissional. No segundo, as inseguranças refletem os custos educacionais elevados, em particular na universidade.

Obama escreveu um livro que, em grande medida, é sua plataforma de campanha, e lhe deu o título de “A Audácia da Esperança”. De fato, o desejo de dias melhores é uma demanda intensa nos Estados Unidos de hoje, mas com freqüência o sentimento é refreado pelo medo de mudanças. A opinião pública conservadora tem ironizado o apoio juvenil a Obama, comparando-o à Juventude Hitlerista ou a grupos paramilitares. Organizações de extrema-direita, como bandos racistas, divulgaram vídeos ameaçando-o de morte, e os gritos de ódio foram dados por jovens. Entre esses sentimentos contraditórios, o eleitorado juvenil terá papel importante na definição do futuro dos Estados Unidos.

11 comentários:

Rodrigo Miranda disse...

Qual é o papel dos artistas, sejam músicos ou atores, nesta identidade entre Obama e os jovens? Obama é claramente favorito dos artistas realmente populares daquele país. Não entre em juízo de valores sobre suas propostas.

Mauricio Santoro disse...

Olá, Rodrigo.

É uma boa pergunta, mas infelizmente não sei a resposta. O mais próximo disso foram as temporadas de 2006/2007 da série de TV The West Wing, que apresentaram um personagem inspirado em Obama, um político democrata de ascendência latina que surgia como azarão e acabava conquistando a presidência dos EUA. Os episódios viraram febre mundial, há vários fãs se referindo a eles quase como profecias de Nostradamus.

Abraços

André Egg disse...

E agora,

quando surgirão no Brasil lideranças políticas capazes de transitar por este novo ambiente político?

Todos os nossos políticos são culturalmente "velhos", lidando ainda com os discursos da luta contra o regime militar e da redemocratização.

Parece que já está razoavelmente provado que a redemocratização em si não significou grandes melhorias econômicas e sociais, assim como a eleição de Lula também teve alcance limitado nesse aspecto.

Seremos capazes de algum tipo de mudança mais profunda no BRasil?

Mauricio Santoro disse...

André,

Há alguns dias estive examinando os resultados preliminares de uma grande pesquisa de opinião pública sobre juventude brasileira e os dados para o Brasil apontam uma geração muito mais conservadora do que nos EUA, com baixo envolvimento com a política. Ainda que as preocupações principais (educação e trabalho) sejam as mesmas.

Me parece que no Brasil predominam os medos e inseguranças com relação à economia, e a encontrar um lugar na sociedade, e que esses temores dificultam muito o surgimento de ideiais transformadores, de renovação.

Abraços

Patricio Iglesias disse...

Caro Maurício:
É interessante o resultado da estadistica. Sem dúvidas, qüando você tem como primeira preocupaçäo saver se amanhä va ter alimentos ou va ser assasinado, é difícil que pense em coisas mais elevadas como liberdade ou democrâcia. Muitas vezes issa foi uma das causas de nossas ditaduras.
Só um comentário. Se diz "statu quo", näo "status quo"; näo sou Virgílio, só um cibernauta que acaba de pesquisar na Wikipedia e confirmou sua apreciaçäo: http://es.wikipedia.org/wiki/Statu_quo
Saludos!

Patricio Iglesias

Mauricio Santoro disse...

Salve, dom Patricio.

Pois é, aqui no Brasil a situação dos jovens, em termos econômicos, tem melhorado. Mas a qualidade da educação pública ainda é muito ruim e é díficil pensar além das exigências mais urgentes.

Tem certeza sobre o latim? A expressão sempre é usada como status quo.

Abraços

Patricio Iglesias disse...

Caro Maurício:
A Real Academia Española diz que status quo näo é correto: http://buscon.rae.es/dpdI/SrvltConsulta?lema=statu%20quo
Näo tenho certezas sob o que acontece no português, mas a versäo portuguesa da Wikipédia fala de statu quo e também diz que é muito comum (possívelmente uma forma anglicada) falar de "status quo": http://pt.wikipedia.org/wiki/Statu_quo
Saludos

Rafaela (super.atenta@hotmail) disse...

Hoje pela manhã li um texto muito interessante que foi publicado no The New York Times, na seção Sunday Book Review, chamado "Como ler como um presidente". O autor do texto, Jon Meacham, desvenda algumas características sensíveis da personalidade dos presidentes através dos livros que lêem e de seus personagens favoritos da literatura.
Achei que, se você não leu, talvez se interessaria, é bem legal. Segue o link:
http://www.nytimes.com/2008/11/02/books/review/Meacham-t.html?_r=1&ref=books&oref=slogin

Meu blog é passodecaranguejo.blogpspot.com

Se você puder adicionar nos seus, será ótimo! Bjs!

Mauricio Santoro disse...

Não sei, Patricio, no Brasil usamos sempre status quo.

Olá, Rafaela.

Ainda não tinha visto o artigo, vou dar uma conferida. Obrigado também pela indicação do seu blog, irei visitá-lo.

Abraços

Enzo Tessarolo disse...

Interessantíssimo texto, Maurício!
A ênfase que Obama tem dado aos meios de comunicação mais usados pelos jovens explica, certamente, parte de sua boa popularidade com essa faixa etária.

Quanto aos extremistas, comparar a juventudade que apóia Obama à "Juventude Hitlerista" é o mesmo que chamar o candidato democrata de terrorista - ou seja, nada muito fora do padrão de absurdos proferidos por eles...

Quanto ao latim, Patricio, devo defender o Maurício, pois utilizamos "status quo" aqui no Brasil...

abraços,

ps= Maurício, quando tiver um tempo, visite o meu blog: www.logusfera.blogspot.com

Mauricio Santoro disse...

Obrigado, Enzo. Mas estou um tanto assustado com a quantidade de sites de ódio que encontrei na Internet sobre a relação de Obama com a juventude. Não é coisa de meia dúzia de malucos - é algo de algumas centenas de loucos!

Obrigado pela indicação do seu blog, vou visitá-lo agora mesmo.

Abraços